Documentos Históricos

 

 A Guerra do Paraguai

 

Com duras consequências para todos os paises envolvidos, a Guerra do Paraguai foi o maior conflito armado internacional ocorrido na América do Sul. Após cruéis combates ocorridos entre dezembro de 1864 e março de 1870, as nações da Tríplice Aliança - Brasil, Argentina e Uruguai – derrotaram o Paraguai, pondo fim a uma guerra da qual participaram centenas de milhares de homens, mulheres e crianças.

O Brasil enviou em torno de 150 mil homens para o conflito, sofrendo perdas da ordem de 50 mil efetivos, que chegaram a 60 mil vidas humanas, quando é considerada a população civil.

A Argentina e o Uruguai tiveram baixas ainda maiores, estimadas em 50% das tropas de combate. No entanto, foi o Paraguai, país derrotado, quem terminou por perder cerca de 600 mil pessoas entre civis e militares - além de 40% do seu território, anexado pelos países vencedores.  Continua

 

 

 

Galileu e o Telescópio

 

De todos os instrumentos astronômicos nenhum teve um efeito imediato mais dramático no curso da ciência do que o telescópio. A idéia do telescópio certamente precedeu de longa data a sua realização. Lentes comuns, como as chamamos hoje, foram conhecidas desde os tempos mais remotos, não apenas como gotas de água e gelo mas como o resultado de um processo de criação espontâneo no polimento de gemas transparentes, cristais de rocha e, no devido tempo, do vidro.

No final do século XIII, lentes convergentes (convexas) eram usadas para óculos de leitura (a palavra latina spectaculum era empregada para uma única lente no início do mesmo século). No século XVII, já havia um estabelecido comércio de óculos de leitura e é de certa forma surpreendente que a descoberta de um método de combiná-las em um telescópio – e mais tarde em um microscópio composto – tenha levado tanto tempo para surgir.  Continua

 

Os Novos Exércitos

 

Por ter resistido a dois golpes de Estado  um deles, infelizmente bem sucedido o político gaúcho Leonel de Moura Brizola (1922-2004) nunca foi perdoado pelas elites conservadoras do Brasil.

Em razão disto, amargou mais de 15 anos de exílio em diferentes países Uruguai, Estados Unidos e Portugal, entre outros e foi obrigado a enfrentar logo após o seu retorno todo o tipo de conspirações, desde sabotagens orquestradas pelos meios de informação a uma fraude organizada pelo oligopólio de comunicação Organizações Globo que tinha por objetivo impedir que se tornasse governador do Estado do Rio de Janeiro, eleito pelo voto popular em 1982.  Continua

 

O PT e a Questão Indígena

 

Como afirmou José Carlos Mariátegui em ensaio clássico, a questão indígena está entranhada na estrutura econômica. Tem suas raízes no regime de propriedade da terra.

Por mais de 500 anos o conquistador europeu, que se apossou do território outrora ocupado por mais de seis milhões de habitantes, ignorou ou eludiu este problema com simulacros estéreis como medidas administrativas ou policiais e estratégias de catequização ou programas assistenciais que, por seu caráter superficial e inócuo, terminaram sendo condenados a um absoluto descrédito.

O sistema de poder do latifúndio, hoje incorporado ao agronegócio, conservou intacto os seus direitos fundamentais sobre a terra e, por conseguinte, sobre os índios.

Iniciativas isoladas como as do Marechal Rondon, dos irmãos Villas-Bôas e de ilustres antropólogos e sertanistas de ontem e de hoje, não conseguiram impedir a contínua assimilação do indígena ao modelo capitalista vigente, a destruição progressiva de suas terras e a degradação de sua cultura.

No documento publicado a seguir, Henrique Cavalleiro, um geógrafo que por 25 anos vem percorrendo os sertões do Brasil, relata como a ascensão ao poder de um projeto político que se apresentava como "democrático e popular" não foi capaz de reverter a continuidade deste processo histórico colonial e, ao negar muitas das conquistas do passado, agrava ainda mais o drama dos descendentes dos primeiros habitantes da nossa terra. (SAS)  Continua